istema de Apagamento de Bucha (SAB).

Na atual matéria, iremos tratar de um assunto que é o principal alvo relativo ao suposto mal causado pelos balões qual seja: os incêndios, tal substantivo leva invariavelmente ao mal causado pela bucha acesa. Há muito tempo, tem se dito que os balões estão dentre os vilões causadores de incêndios em florestas e assentamentos humanos e à tragédia humana relacionada ao fogo sem controle, às vezes, qualquer sinal de fumaça já se supõe: Será que não foi um balão a causa?

O próprio art. 42 da lei 9.605/98 faz associação direta à possibilidade de causar incêndios ao dizer:

Art. 42. Fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios (...)”

Diante de tal redação, constata-se facilmente o seguinte raciocínio:

É permitido soltar balões que não possam causar incêndios, pois tudo que não é proibido é permitido. Assim sendo, chega-se à conclusão de que se houvesse um meio eficaz de controlar o fogo no interior do artefato a atividade seria perfeitamente lícita, assim, como ocorre, por exemplo, nos balões tripulados.

Desta maneira, a questão crucial residiria na seguinte questão: Será possível controlar o fogo no interior dos balões não tripulados? Há alguma garantia de que o balão possa cair totalmente apagado sem fornecer qualquer perigo de incêndios?

Antes de responder a tal pergunta, é pertinente destacar que para haver fogo precisamos de somente 3 componentes:

Combustível + Oxigênio + energia = fogo

Suprimindo-se quaisquer desses 3 componentes o fogo torna-se inviável, diante de tal constatação, um inventor  Paulista conseguiu realizar uma verdadeira proeza, ou seja, criou um dispositivo muito simples e barato, mas extremamente eficiente.

A idéia central foi a de suprimir o elemento oxigênio, impossibilitando a existência de fogo. Nesse sentido, idealizou um recipiente hermeticamente fechado na qual o fogo se extinguiria pela inexistência de oxigênio, entretanto, já que uma imagem vale mais do que mil palavras, vejamos: 

Apesar de ser apenas um protótipo inicial e meramente demonstrativo, já se tem uma boa base do significado de tal invento. O alcance de tal dispositivo é fantástico, pois além de garantir o apagamento da bucha serve também para evitar que balões queimem por brisa, por abrir o bico, por não puxar o lastro, ou diversas outras situações emergenciais.

O sistema demonstrado no vídeo é extremamente eficaz, é claro que há a necessidade de se criarem mecanismos de ativação do mecanismo, mas isso é relativamente simples, já que o fundamental já foi criado.

 

Dentre as diversas possibilidades, podemos levar em consideração para ativação do mecanismo:

1-     Variação do peso da bucha

2-     Variação da altura da bucha

3-     Variação da temperatura

4-     Variação da pressão atmosférica

5-     Variação de altitude

6-     Acionamento manual

7-     Acionamento por pavio

8-     Tempo

9-     Rádio controle

Nesse diapasão, retornamos à pergunta anterior:

Será possível controlar o fogo no interior dos balões não tripulados? Há alguma garantia de que o balão possa cair totalmente apagado sem fornecer qualquer perigo de incêndios?

Sim, agora, parece que estamos muito perto de um resultado garantido já que até mesmo o mínimo de braseiro fica contido dentro de um recipiente.

Voltando ao artigo que proíbe à pratica do balão junino, lembre-se que a lógica do art. 42 é a seguinte:

Se o balão pode causar incêndios, então, é crime.

Se o balão não pode causar incêndios, então, não é crime.

 

Quer comentar este artigo clique aqui.




Comentários


Turma: Sem Turma
Integrante: Fernando
TempodeExistencia: não há
Assunto: Dispositivo de apagar bucha
Cidade: São Paulo
Estado: SP
Recado: Gostaria de parabenizar os idealizadores do dispositivo de apagar bucha, que foi demonstado em vídeo, achei simplismente fantástica a idéia, pelo que vi ainda precisa de algum ajuste, tipo um temporizador ou algo parecido em que se possa controlar o tempo em que o mecanismo seja acionado. Espero que passem os detalhes desta invenção para aqueles que fabricam bocas e aranhas dos balões para que muito em breve já estejam sendo utilizados nos balões, espero também que os baloeiros abracem essa idéia da mesma forma que aderiram a tela nas buchas. Sem dúvida será um marco e um passo importantíssimo no avanço e na história dos nossos queridos balões. Estarei na torcida que esta moda pegue o mais rápido possível, e mais uma vez parabéns aos idealizadores da idéia.
Turma: 100 Limite
Integrante: NEB
TempodeExistencia: 12 anos
Assunto: Sistema de Apagar Buchas
Cidade: São Paulo
Estado: SP
Recado: NOTA 1.000 o Sistema de Apagar Buchas. Claro que balões com menos peso e bucha correta cairão apagados em uns 90% dos casos. Melhor ainda se tiverem a telinha, mas ainda sobra um pequeno risco, o qual esse sistema elimina. Eu estava projetando um sistema para tal finalidade, mas este aí é, aparentemente muito simples e 100% eficiente. A nação baloeira agradecerá se puderem postar um vídeo mostrando detalhes da construção. Lembremos que a lei não proíbe os balões (pois esculturas de papel são formas de arte e expressão e por isso NUNCA serão proibídos), proíbe apenas 'balões que possam causar incêndios...' Parabéns.
Turma: Leandro Art´s
Integrante: Leandro
Assunto: Ratoeira de bucha
Cidade: São Paulo
Estado: SP
Recado: Fantástico! Parabéns pela invenção, agora só iremos esperar pelo aperfeiçoamento do projeto, tenho certeza que isso irá ajudar muito os juninos a serem aceitos
Integrante: Turco
Assunto: Coluna do Japa
Cidade: Sp
Recado: Japa o problema na minha opinião não são somente as buchas. Esse vídeo é fantástico e já uma grande ajuda, mas e os painéis, letreiros? Será que vão invetar algo também pra que caim apagados? E os fogueteiros, principalmente os noturnos que caem muitas coisas no chão e muitos que não sabem soltar fazem abrir baixo e já sabe...pra quem foi no da Jurema de 46 sabe o que estou falando, foi ridiculo. Não seria o ideal acabar com os fogueteiros e os painéis? Os painéis são lindos mas a maioria cai aceso, estou errado? As turmas que só soltam fogueteiros tem de pensar mais no balão. Todo ano tem um grande e vcs estão acabando com o balão, com os locais de soltura. Se até uma criança o fogueteiro conseguiu tirar uma vida. Faça-me o favor, soltem balões menores e acabem com os fogueteiros! 20mts está bom pra todo mundo, veja os exemplos dos balões de 10mts do RJ, precisa ser maior que isso pra dar um show?

Tudo Bem, Japa

Acredito que esse Sistema que apaga a Bucha seja mais um capitulo da evolução do balão a idéia é ótima, esta no inicio mais logo será aprimorado e terá um bom resultado.

O legal que, se for acionado por pavio lento da para determina + ou - o tempo que o balão ficara no alto.

Fica uma pergunta se alguém entender do assunto, seria passível acionar o dispositivo por Celular? Se for possível daria até para ser usado nos fogueteiros.

Parabéns ao Jair - Bragança Paulista pela invenção

Abraço

Fernando Turma da Resma

Turma: Sociedade Amigos do Balão
Integrante: Humberto Pinto
TempodeExistencia: 10 anos
Assunto: Sistema de Apagamento de Bucha
Cidade: Rio de Janeiro
Estado: RJ
Recado: Caro JAPA Seu comentário é pertinente, mas deixa de considerar toda experiência desenvolvida pelos baloeiros ao longo da existência do balão e da evolução das suas técnicas de confecção e soltura. Dizer que balão pode causar incêndio é o óbvio, porque ele utiliza uma fonte de calor que lhe possibilita subir aos céus. Os detratores do balão – balão junino – se apoiam nessa probabilidade e consumam a agressão a nossa cultura. Mas, diz o ditado: “tem mal que vem para o bem” e como efeito imediato dessa violência político-jurídica os baloeiros, com a intuição própria do artista, passaram a trabalhar com mais atenção em razão desse potencial sinistro. A solução não tardou, concluíram pela lógica dos fenômenos naturais e chegaram à fórmula da fonte térmica autoextinguível. Simples explicar. Composição da fonte térmica autoextinguível (bucha) e a inserção no triângulo do fogo: 1. combustível: algodão hidrófilo, papel toalha ou similar embebido em parafina (mineral) ou sebo (animal);2. comburente: oxigênio; e3. calor: entidade de ignição (fogo). Triângulo do fogo Como vimos, no processo de combustão natural da “fonte térmica autoextinguível” o fogo se extingue (apaga) com a queima completa do combustível. O combustível acaba por ser finito e totalmente consumido pelo fogo e pelo uso de materiais naturais não deixa restos de borrão. Deve-se considerar a conceituação do processo de queima... “O fogo tem início e irá durar se houver suprimento contínuo de um combustível, de calor e de um comburente (oxigênio). O calor de ignição necessário para se iniciar o fogo, na prática é dado por uma fonte de calor como uma faísca, um fósforo, um raio, etc. Na falta de pelo menos um dos componentes, didaticamente descritos no triangulo do fogo o fogo não se inicia, ou se estiver aceso, se apaga.Com efeito, pode-se extinguir o fogo retirando-se o calor, por resfriamento (jogando-se água, que faz com que o fogo perca calor) ou removendo-se o oxigênio (usando-se CO2 ou abafando-se o fogo) ou ainda retirando-se o combustível (madeira, gasolina, gás, etc)”. Fonte: Internet Assim, os baloeiros estão de parabéns por terem, por empirismo, encontrado a solução natural sem a utilização de qualquer artifício mecânico. Com certeza, hoje, os balões que descem acesos são conseqüência da improvisação ou de caso fortuito. Os balões propulsados por fonte térmica autoextinguível apagam antes da descida no solo. As provas de campo realizadas e são inúmeras comprovam a eficácia dessa técnica.